Crônicas da Mare – Uma história de terror sobre superar medos

Acordei suando durante a madrugada, com a boca seca. Outra vez.Apesar de uma semana nessa nova cidade, não estava ficando mais fácil. Como em todas as noites anteriores, da escuridão do armário, um par de olhos assustadores me encarava fixamente. Mas desde que me entendo por gente, monstrinhos me acompanham. De perto ou de longe, eles eram quase como da família. 
Quando eu tinha uns cinco anos, tinha um que aparecia sempre que eu fazia xixi na cama. O engraçado é que eu só fazia o xixi por causa dele… ele me impedia de ir no banheiro. Anos mais tarde, toda vez que estava com outras meninas, um monstrinho cochichava debochando dos meus peitos (que eram menores do que das outras). E aí, quando eu fiz uns 18 anos, foi a vez de um serzinho que dizia o tempo todo que eu era muito chata pra minha idade e devia me soltar, fazer coisas… mas quando eu o escutava, ele me apontava e me deixava culpada.

E agora, esses…olhos. Eles não falavam nada, mas eu sabia o que eles estavam dizendo: “Você? Morar sozinha, numa cidade nova… que loucura! Desiste. Volta antes de quebrar a cara.”Mas de repente, me deu um estalo: eu superei o medo de ir ao banheiro, o medo de não ser tão boa quanto as garotas ao meu redor, o medo de não ser aceita e respeitada pelas minhas escolhas e gostos. E saí mais forte disso tudo. No final, acredito que os monstros que se escondem nos nossos armários e debaixo das nossas camas servem pra isso, pra gente superar!Pode ser que eu não saiba limpar vidros como a minha mãe, pode ser que desse lado do estado seja mais frio por mais dias do ano mas eu tô aqui, vivendo o que eu acredito, da melhor forma possível. De um jeito ou de outro vai dar certo!Então, como todos os outros, o monstro sumiu! Porque é assim, quando você entende que pode tudo, os medos somem.

Espero que tenham gostado, até a próxima crônica!

Mari ♥


Deixe uma resposta